Urbanismo

Revitalização da Rua Frei Caneca

Nos bairros paulistanos ,nas décadas de 40 e 50 , a maioria da população se conhecia. As pessoas caminhavam a pé e mais tranquilamente pelas ruas, calcadas com paralelepípedos. O pedestre tinha um espaço mais digno e a escala das ruas lhe favorecia. Nos bairros mais tradicionais como o Ipiranga o Brás, a Moóca, Santo Amaro, Higienópolis e etc, a rua era o local do encontro. As pessoas saiam nos finais de tarde para conversar, se encontrar, ou tomar a ”fresca”, muito comum nas varandas ou bancos em frente à residência. São Paulo era mais amena e mais convidativa, mais acolhedora.
Nosso projeto busca o retorno desse caráter da rua paulistana, as calçadas largas convidando ao passeio, a andar a pé encontrar outros moradores no fim de tarde, andar de mãos dadas sem a aflição dos carros e seus congestionamentos. Buscamos trazer a rua de volta a escala do pedestre. Essa proposta vem em contraponto ao megacondôminios que se projetam e constroem hoje em dia, isolando cada dia mais a população em pequenos guetos queremos trazer as pessoas para a rua para o convívio diário, nos pequenos comércios.

Salas de estar : livings
A calçada como grandes pontos de encontros, calçadas – praças. A calçada é para todos, é para vivermos, andarmos, discutimos, sentarmos com dignidade, lugar publica e democrático. A calçada como extensão das nossas casas e estabelecimentos. Criamos pequenas “”salas de estar”” no percurso da rua, onde as pessoas convivem com todo o tipo de gente, compartilham o seu dia a dia. Pequenos assentos dispostos perpendiculares a via publica, ao longo de toda Frei Caneca, comtempla a vista da cidade, os assentos podem ser interrompido sempre que necessário ou por entradas de garagens ou caso atrapalhe o passeio público. As arvores existentes e os novos ipês –amarelos propostos em toda a Frei Caneca, garantem mais qualidade de vida.

A Praça
Comtemplando a intenção da cidade democrática do projeto, encontramos ao longo da rua Frei caneca, encontramos um lugar ideal à praça, a igreja e o verde. O terreno da paróquia Espirito Santo é hoje pouco aproveitada. Propomos uma praça junto à paróquia, são dois platôs ligados por rampas que seguem a topografia do terreno o próprio platô no nível, esta elevada em relação a Frei Caneca, neste nível locaremos o parquinho hoje existente, movendo – o pouco de lugar. um segundo platô, se volta para o verde existente que envolve a paróquia.

A rua democrática e tolerante:
a escala do pedestre A formação de uma sociedade mais justa depende, entre muitas coisas, da atuação do arquiteto, seja no desenho urbano, habitação, respeito ao ambiente. Como frisou Henrique Mindlin – “a sua função não pode se restringir à mera tradução, em termos plásticos, ou seja, tridimensionais, de exigências de toda ordem impostas de cima e aceitas passivamente. A cidade, adaptada às necessidades e às condições de vida de nosso tempo, tem de readquirir o sentido social e humano que a caracterizava antes do impacto da Revolução Industrial e da especulação imobiliária. A rua, o lugar do encontro, do lazer, das relações entre as pessoas, sem qualquer distinção, “expressão da mente coletiva e o espírito da comunidade” (Sert) é a cidade pensada para toda a população. Uma das linhas de nossa proposta É devolver a rua ‘’a escala do pedestre, com arvores baixas, bancos , calcadas largas e o passeio confortável . ” A circulação moderna ‘’e uma operação das mais complexas, as vias destinadas a múltiplos usos devem permitir, ao mesmo tempo: aos automóveis ir de um extremo a outro, pedestres ir de um extremo ao outro; aos ônibus percorrer itinerários prescritos e etc. cada uma destas atividades exigiria uma pista particular, condicionada para satisfazer necessidades claramente e caracterizadas. ..’’ (Carta de Atenas) . Em nosso entendimento ‘’e necessário priorizar o pedestre e neste projeto o carro não ‘’e suprimido, porem fica em segundo plano, diminuímos a largura do leito (ficam duas faixas de rolagem e baias de estacionamento e manutenção dos carros) e alargamos consideravelmente as calçaadas. Segundo a arquiteta Vera Magiano “”…o incentivo a novos “paraísos para pedestres”, começou na década de 1970 com a contínua estruturação de zonas para pedestres, que passaram a valorizar o espaço público, o comércio de rua, as áreas de passeio, reduzindo-se as distâncias e obstáculos para o fluxo dos pedestres, através de projetos que priorizaram o conforto e a segurança destes usuários. A cidade para os pedestres é, segundo Paulhans Peters, a reação frente à cidade ordenada, e também a resposta à cidade que prioriza o uso do automóvel. Seu princípio de ordenação se orienta pelo cotidiano do homem contemporâneo, suas necessidades e prioridades habituais, numa tentativa de conciliação e coexistência entre pedestres e motoristas, pedestres e ciclistas.
Em nossa proposta o pedestre caminha sempre em nível, a faixa de pedestres esta elevada ao nível da calcada, o que faz da rua espaço mais democrático aos portadores de necessidades especiais, não são necessárias rampas de acesso ou adaptações. Todos caminham no mesmo nível, no mesmo espaço tolerante, não há distinções, esse ‘’é o caráter da rua que buscamos trazer de volta. O caráter simbólico em se elevar os acessos dos pedestres ‘’é relevante na medida em que o carro ‘’e que tem que subir ao nível do pedestre quando passa pela lombofaixa e não o contrario, ou seja quem invade o espaço que ‘’e próprio do pedestre ‘’e o automóvel. Acreditamos que com isso algo se altere na relação do carro com o pedestre. “…arquitetura social é aquela que se situa acima do nível individualista”.(Neutra,R) Ciclovia Nossa proposta comtempla uma ciclovia que se estende por toda Frei Caneca, acreditamos que as características do bairro e do seu entorno buscam essa necessidade. A grande circulação de pessoas e a demora em se realizar pequenos trajetos na cidade (sem levar em conta os benefícios relativos a saúde), trazem a tona a discussão de uma grande ciclovia interligada, por toda a cidade. Isso reduziria drasticamente o transito e consequentemente o tempo de percurso. Neste projeto a ciclovia esta no nível acima da rua para que proteja o ciclista, ela é interrompida vez ou outra apenas por faixas de pedestres. A ciclovia nesta rua, não se interliga a nenhuma outra rede, faz se presente como embrião de uma ideia mais ampla, vem resolver a circulação da população do bairro que trabalha nos arredores da Av. Paulista.

Abrigo Sustentável
A ideia deste abrigo surgiu do perfil do paulistano que mora ao longo da rua ou que somente frequenta a região. São estudantes, empresários, jovens e este abrigo sustentável funciona como local de descanso e pequenos trabalhos. Uma placa de captação solar acima da cobertura possibilita energização de tomadas que seriam utilizadas por moradores ou transeuntes para seus aparelhos eletrônicos (celulares, notebooks e etc). Não raras são as situações em que necessitamos brevemente de locais como esse. A energia “é gerada pelo sol e a manutenção ”é praticamente nula. Uma torneira pública pode ser pensada junto ao abrigo de água da sabesp ou mesmo água pluvial captada pela cobertura. O calçamento pensado em piso intertravado amarelo e cinza no passeio público e concregrama nos livings, garantem a permeabilidade do solo em toda a frei caneca. o amarelo dos ipês e do passeio, a cor inserida na escala urbana. Um suave tom de amarelo que varre toda a Frei Caneca.

Requalificação do Pátio de Manobras Júlio Prestes

No meio a cidade
a barreira posta precisa não
só ultrapassar mas passear por ela…
conviver a cidade…
Usando a topografia da área
a calçada é convidada
numa praça seca…
sob o verde do parque da luz
induz por si a tornar o mesmo
na área do pátio…
A água denomina a via férrea
que tem seu traçado mantido…
Da gare descortina- se o esqueleto até a sapata..
deixa a mostra o belo…
com os demais edifícios devidamente mantidos…
Uma estrutura independente
dentro dela…a escola e exposições
são como vários níveis da cidade…

Reurbanização do Centro de Conde na Paraíba

Legado
Fazer arquitetura e urbanismo é entre outras coisas, pensar a longo prazo, desta forma pensa – se neste projeto, como uma forma a deixar um legado maior, um legado de longa vida à cidade e de valor incalculável. Algo planejado, estruturado e pensado para que a vida da cidade se reascenda e renasça e assim novas possibilidades nas mais diversas áreas, serão criadas e impulsionadas para o bem comum e a urbanidade.

O legado da rua brasileira, é o chão, o pedestre, a superfície
Nas cidades brasileiras, nas décadas de 40 e 50, a maioria da populacao se conhecia. As pessoas caminhavam a pé e mais tranquilamente pelas ruas, calcadas com paralelepipedos. O pedestre tinha um espaco mais digno e a escala das ruas lhe favorecia.
A cidade de Conde, ainda preserva esta característica, a rua era o local de encontro. As pessoas saiam nos finais de tarde para conversar, se encontrar, ou tomar a”fresca”, muito comum nas varandas ou bancos em frente `a residencia. Sao Paulo era mais amena e mais convidativa, mais acolhedora.
Este projeto busca o retorno desse caráter e ou uma forma de amplificar esta qualidade, as calcadas largas convidando ao passeio ”o calçadão”, a andar a pé, encontrar outros moradores no fim de tarde, andar de mãos dadas sem a aflição dos carros.
Buscamos trazer a rua de volta a escala do pedestre. Esta proposta vem em contraponto ao megacondominios que se projetam e constroem hoje em dia, isolando cada dia mais a populacao em pequenos guetos queremos trazer as pessoas pra rua pro convívio diário, nos pequenos comércios.
A retomada do caráter da rua como um grande ponto de encontro, pode iniciar uma transformação maior na cidade, onde no polígono do projeto e principalmente no calçadão, cultura, lazer, esporte, gastronomia, serão agentes que impulsionam o turismo na cidade, com uma forma de gerar emprego e trazer dinheiro a cidade, já que uma área convidativa, atrai público que poderiam passar uma tarde ou buscar uma boa refeição e comércio de artes votados à tradição da Paraíba.
A proximidade do mar e de João Pessoa são outros atrativos para atrair pessoas de outras localidades.

Salas de estar : livings(calçadão e calçada)
A rua como grandes pontos de encontros, calçadas – praças.
A calçada e o calçadão são para todos são para vivermos, andar, discutimos, lugar público e democrático.
O calçadão e a calçada como extensão das nossas casas e estabelecimentos..
Cria -se “salas de estar” no percurso do calçadão e da calçada da rua Domingos Maranhão, onde as pessoas convivem com todo o tipo de gente, compartilham o seu dia a dia.
Pequenos assentos dispostos perpendiculares ao sentido do calçadão e da via pública, comtempla a vista da cidade, os assentos podem ser interrompidos sempre que necessário ou por entradas de garagens ou caso atrapalhe o passeio público na rua Domingos Maranhão, no calçadão estes assentos estão disposto em maior número, até contemplar – se as praças
As árvores existentes serão mantidas e uma nova espécie nativa(sucupira), se estenderá ao longo do projeto

Praça
As duas praças que hoje existem(Praça Pedro Alves e Praça Antônio de Souza Santos), estão segregadas, neste projeto elas se formam e se integram entre si e ao calçadão, formando uma só. Foram pensados, diversas ilhas de acontecimentos, ao longo da praça, assentos, playground, mesas e cadeiras, barracas de comércio, abrigo sustentável e um palco, localizado no meio das duas praças de uma forma, a integra -las e fazer delas um único elemento, o calçadão é outro agente atuante no sentido de unir as praças.
As palmeiras hoje localizadas na praça Pedro Alves serão realocadas para o calçadão.
Será aumentado o local da praça Pedro Alves até o fim da rua Domingos Maranhão, isso possibilita que o atual uso de encontro de ciclistas continue na praça, onde será pensado uma serie de bicicletários.

Palco
No palco, foi -se pensado uma marquise que orienta o projeto no sentido de dizer, aqui tem um espaço para o artista da região, o palco por se tratar de um elemento de uso diferenciado na praça”uso cultural”, é a única ilha pensada em concreto. Por sua localização no meio da praça, ganha grande importância e destaque, assim realçando a importância da cultura na sociedade,
E como já foi dito, é um elemento integrador dos dois espaços públicos, até então segregados.

A rua democrática e tolerante:  a escala do pedestre
A formação de uma sociedade mais justa depende, entre muitas coisas, da atuação do arquiteto, seja no desenho urbano, habitação, respeito ao ambiente. Como frisou Henrique Mindlin – “a sua função não pode se restringir à mera tradução, em termos plásticos, ou seja, tridimensionais, de exigências de toda ordem impostas de cima e aceitas passivamente.
A cidade, adaptada às necessidades e às condições de vida de nosso tempo, tem de readquirir o sentido social e humano que a caracterizava antes do impacto da Revolução Industrial e da especulação imobiliária.”
A rua o lugar do encontro, do lazer, das relações entre as pessoas, sem qualquer distinção, “expressão da mente coletiva e o espírito da comunidade” (Sert).
È a cidade pensada para toda a população.
Uma das linhas desta proposta é devolver a cidade ‘’a escala do pedestre, com arvores baixas, bancos , calcadas largas, calçadão e o passeio confortável  .
No entendimento deste projeto ‘’é necessario priorizar o pedestre e não o carro, diminuímos a largura do leito na rua Domingos Maranhão (ficam duas faixas de rolagem e baias de estacionamento e manutencao dos carros) e alargamos consideravelmente as calcadas.
Segundo a arquiteta Vera Magiano “”…o incentivo a novos “paraísos para pedestres”, começou na década de 1970com a contínua estruturação de zonas para pedestres, que passaram a valorizar o espaço público, o comércio de rua, as áreas de passeio, reduzindo-se as distâncias e obstáculos para o fluxo dos pedestres, através de projetos que priorizaram o conforto e a segurança destes usuários.
A cidade para os pedestres é, segundo Paulhans Peters, a reação frente à cidade ordenada, e também a resposta à cidade que prioriza o uso do automóvel. Seu princípio de ordenação se orienta pelo cotidiano do homem contemporâneo, suas necessidades e prioridades habituais, numa tentativa de conciliação e coexistência entre pedestres e motoristas, pedestres e ciclistas.
Em nossa proposta o pedestre caminha sempre em nivel, a faixa de pedestres esta elevada ao nivel da calcada, o que faz da rua espaco mais democratico aos portadores de necessidades especiais, não são necessárias rampas de acesso ou adaptacoes.
Todos caminham no mesmo nível, no mesmo espaco tolerante, não há distinções.

Lombofaixa
O carater simbólico em se elevar os acessos dos pedestres ‘’e relevante na medida em que o carro ‘’e que tem que subir ao nível do pedestre quando passa pela lombofaixa e não o contrário (Rua Domingos Maranhão), ou seja quem invade o espaco que ‘’é próprio do pedestre ‘’é o automóvel. Acredito que com isso algo se altere na relação do carro com o pedestre.
“…arquitetura social é aquela que se situa acima do nível individualista”.(Neutra,R)

Calçadão -Uma nova superfície
A rua Nossa Senhora da Conceição, se transformará num pleno calçadão, uma grande “superfície”, norteando o projeto e dando o sentido principal da proposta de se criar um grande “estar” para a cidade e um ponto de encontro.
Ciclovia, assentos, mesas e cadeiras para refeição, passeio confortável, iluminação adequada, praças, vegetação, canteiro central ampliado, estabelecem um bom lugar para o convívio a caminhada e para explorar diversas atividades como cultural, gastronômica, lazer e esporte
O pequeno trecho por onde passa o transporte público da linha Conde – Sacumá, na rua Nossa Senhora da Conceição, devido a implantação do calçadão terá que ser desvia para a rodovia – PB 018.

Ciclovia
O projeto comtempla uma ciclovia que se pelo calçadão da rua Nossa Senhora da Conceição, acreditamos que as características da cidade e do seu entorno buscam essa necessidade.
A circulação de pessoas e a necessidade de se realizar pequenos trajetos na cidade (sem levar em conta os beneficios relativos a saude) e o lazer, trazem a tona a discussao de uma grande ciclovia interligada, por toda a cidade.
A ciclovia nesta calçadão, não se interliga a nenhuma outra rede, faz se presente como embriáo de uma ideia mais ampla, vem resolver a circulação da populacao da cidade.

Abrigo Sustentavel
A ideia deste abrigo surgiu do perfil do mundo contemporâneo.
São estudantes, comerciantes, jovens e este abrigo sustentavel funciona como local de descanso e pequenos trabalhos. Uma placa de captacao solar acima da cobertura possibilita energizacao de tomadas que seriam utilizadas por moradores ou transeuntes para seus aparelhos eletronicos (celulares, notebooks e etc). Não raras são as situações em que necessitamos brevemente de locais como esse.
A energia ‘’é gerada pelo sol e a manutenção ‘’é praticamente nula.

Novo piso
Um novo piso pensado todo em concreto permeável para um melhor e mais sustentável, manejo, manutenção e absorção das águas pluviais será proposto, ao longo de todo o projeto.
A paginação desenhada no formato de um mosaico de escala inquietante, onde abstrai – se a forma plástica, a qual tons de cinza ditam a intenção artística.

Cruzeiro
Um novo cruzeiro será proposto de desenho mínimo, como característica de uma igreja que prega uma vida simples. Este cruzeiro terá uma nova escala, podendo ser visto ao longo de todo o calçadão, um assento é proposto, isolado dos demais e  a uma distância adequada para contemplar a cruz.

Atividades
Como uma forma de impulsionar novas atividades na cidade, propõe -se alguns novos equipamentos públicos no calçadão e a relocação de outros, além de incentivar outras ramos e atividades.
Primeiro por conta de haver uma incompatibilidade de uso com o calçadão, a UBS e a PM serão deslocados do local atual para um novo, proposta na implantação do calçadão , no lugar destes equipamentos será proposto a realocação do Núcleo de cultura em conjunto com um centro multiuso de artes, ampliando o caráter do edifício.
Em um outro terreno vazio rente ao calçadão, propõe – se uma escola de ensino técnico voltado para a formação de profissionais na área da economia criativa e suas mais diversas possibilidades de artes que vão desde cinema e áudio visual, passando por música, arquitetura, tecelagem, artes visuais e etc, incentivando a cultura local.
Em outro terreno baldio, ao lado do cartório, será proposto uma biblioteca para uso de cidadãos e sobretudo dos estudantes dos colégios próximos e da nova escola de ensino técnico e profissionalizante proposto.
No local do atual núcleo de cultura propõe -se uma nova praça a “Praça da feira”, neste mesmo local, desenha -se uma praça e a feira que hoje está se localizada na rua Domingos Maranhão, isso possibilita além de evitar o transtorno da feira na rua, uma nova feira que funcionaria todos os dias da semana como um grande mercado ao ar livre. Pode – se pensar a necessidade de se vender produtos diferentes em determinados dias da semana, mas isso é algo a ser discutido num segundo debate.
Ao lado do Ginásio será colocado a pista de skate e patins e à sua frente, a área de ginastica ao ar livre, criando assim um polo esportivo.
Será incentivado em local próximo ao mercadão e em frente as praças, o uso de edifícios voltados para a área gastronômica, o que hoje já existe mas será ampliado.

Fases do projeto
O projeto pode ser executado em diversas etapas, na primeira será implementado todo o projeto da rua Nossa Senhora da Conceição, o Calçadão, com as praças, ciclovia e alargamento do canteiro central e troca e paginação de novo piso.
Uma segunda etapa, será da implantação do projeto na rua Domingos Maranhão, com a ampliação da calçada, troca e paginação de novo piso e implantação de arvores e assentos.
A terceira etapa seria a relocação dos edifícios proposto, a execução da construção da nova praça e do novo local para a feira.
Com o tempo, pode – se pensar na implantação do calçadão no restante da rua Nossa Senhora da Conceição, o projeto contempla esta possibilidade, esta seria uma quarta fase.

Demais propostas
Foi pensado a ampliação da calçada em frente a igreja onde será proposto uma grande lombofaixa na rodovia PB – 018 que integra a igreja ao calçadão. Será proposto uma nova parada de ônibus no novo trajeto do transporte público e que ficará próximo ao calçadão.
Integrar o ginásio à praça através de uma escadaria e rampa.